02/12/2021 12h15

BMW e seus nomes

BMW explica complicada metodologia usada para nomear seus carros

 

 

A lógica usada pela BMW para batizar seus modelos já foi bastante fácil de entender no passado, quando seguia critérios claros de categoria, porte e motorização sem confundir o consumidor. Com a ampliação do portfólio, porém, as regras precisaram ser alteradas e se tornaram menos rígidas para acompanhar a chegada de novos veículos, segmentos e conjuntos mecânicos.

Não por acaso, até mesmo um departamento dedicado ao setor - chamado Strategic Naming and Vehicle Identification - precisou ser criado para dar conta da demanda por novos codinomes. Recentemente em seu próprio podcast - apelidado de "Changing Lanes" - a BMW explicou a metodologia usada atualmente e detalhou o porquê de o padrão ter ficado tão complexo nos últimos anos.

No passado, a marca adotava a seguinte lógica: os dígitos do meio representavam a cilindrada do motor e o primeiro a série do modelo. Nesse método, por exemplo, o 745e teria o "7" como referência à categoria (neste caso Série 7) e o "45" representaria o porte do motor. Acontece que o 745e não é equipado com motor 4.5, como sugeria a antiga padronização, e vêm daí boa parte da complexidade do esquema atual.

 

 

A última letra, porém, é fácil de entender: o "e" representa um híbrido plug-in, muito parecido com "i" para carros com injeção de gasolina e "d" para diesel. Além disso, alguns modelos também recebem o sufixo "sDrive" ou "xDrive", dependendo do sistema de tração adotado (dianteira, traseira ou nas quatro rodas).

 

Depois, vêm os carros M Performance, que têm o "M" antes da designação. Há, no entanto, duas exceções: os modelos X e Z têm a "letra mais poderosa do mundo" após o nome do veículo: X5 M50i, Z4 M40i , etc. No caso raro de um carro M Performance estar disponível com tração nas duas ou nas quatro rodas, o termo "sDrive" ou "xDrive" é adicionado no final. Quanto aos modelos M puros, os SUVs têm o "M" no final, enquanto os sedãs, cupês e conversíveis têm no início.

Em relação aos modelos elétricos, o "i" (de "inovação") vem sempre na frente. Se o EV tiver apenas tração nas duas rodas, é usado o sufixo "eDrive" semelhante ao "sDrive" usado para carros a combustão. Já as versões com tração nas quatro rodas adotam "xDrive".

 

Embora complexo, esse quebra-cabeça de letras e números torna mais fácil nomear de forma lógica cada modelo - principalmente com o portfólio em constante expansão. Nomes tradicionais são considerados mais adequados e até atraentes que meros códigos, mas seria difícil chegar a tantos batismos diferentes que refletissem de forma tão exata características como porte, categoria, motorização, tração, etc.

 

 

Por Macora Automóves
}
Esse site usa cookies
Usamos cookies e semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Conheça nossa política de privacidade.